Um espaço para pesquisar, inovar e desenvolver.

Contamos com um laboratório dinâmico e colaborativo, com infraestrutura e equipamentos de última geração.

PRIMEIRO
ANALISAMOS

Trabalhamos junto as gestões empresariais de Produção e Saneamento animal, de modo a intervir na operação e estudar da forma mais representativa possível as bactérias de relevância para cada sistema produtivo. Aprendemos sobre a composição do microbioma, os patótipos relevantes, a resistência a antibióticos e os perfis de susceptibilidade a vacinas comerciais.

DEPOIS
DESENVOLVEMOS

Desenvolvemos diferentes aplicações de bacteriófagos contra as bactérias identificadas. Adequamos isso a realidade industrial de nossos clientes e à normativa vigente para ser utilizado com as garantias de segurança requeridas.

E ENTÃO,
APLICAMOS

Trabalhamos junto ao cliente em diversas provas de aplicação para adaptar a utilização dos fagos em cada linha de produção ou etapa do processo e, assim, verificar a sua eficiência.


O MARAVILHOSO MUNDO DA FAGOTERAPIA.

Temos repetido que os bacteriófagos são altamente seletivos na sua ação. Mas, como eles funcionam? Os bacteriófagos são compostos por um capsídeo que armazena e protege o DNA viral; um pescoço que funciona como uma seringa para introduzir o DNA viral dentro da bactéria; e uma base receptora que cumpre duas funções. São elas: 1. ativar o sistema de infecção do vírus sobre uma bactéria; e 2. reconhecer especificamente a bactéria hóspede mediante a interação com elementos de superfície únicos de cada variante bacteriana.

Iniciado o processo de infecção, o fago introduz seu material genético e se replica rapidamente. Ele libera enzimas que desestabilizam a membrana celular de modo a liberar, também, milhares de cópias dele mesmo no ambiente. O fago provoca, assim, a eliminação da bactéria obtivo. Maravilhoso, certo?

Na sequência, alguns dos bacteriófagos que formam parte da livraria do Phage Lab:

CICLO INFECCIOSO:

a.

Quando uma bactéria patógena se aproxima, o fago é capaz de reconhecer proteínas específicas da membrana.

b.

Isso permite ao fago prender-se em si mesmo e gerar uma infecção.

c.

O fago ingressa seu material genético na bactéria e utiliza toda a sua maquinaria para replicação.

d.

Dentro da bactéria para se multiplicar, o fago gera múltiplas cópias.

e.

Uma vez replicados, os fagos secretam enzimas.

f.

Estas enzimas desestabilizam a membrana bacteriana provocando sua lises.

g.

A lise bacteriana permite a liberação de múltiplas cópias de fagos prontos para infectar outros patógenos e repetir o processo.

USO DE BACTERIÓFAGOS DE MANEIRA PREVENTIVA NO INTESTINO:


ONDE EXISTA UM ANIMAL, AÍ ESTAREMOS.

Nossos tratamentos estão presentes em toda América Latina e em parte da Europa, gerando um impacto em bilhões de animais em diferentes indústrias.